COMERCIANTE DESCOBRE QUE IRMÃO PERDIDO HÁ 30 ANOS É SEU FUNCIONÁRIO

Seja por conta de falecimento ou pelos desencontros que a vida proporciona, perder um membro da família não é uma coisa fácil. Esse foi o caso do comerciante Antônio Nunes, de Blumenau (SC), que teve seus dois irmãos entregues para a adoção em 1980.

Na época, a justificativa de sua mãe para tomar a ação foi de que não teria condições de cuidar das crianças. Mesmo sem sequer saber os seus nomes, Antônio (que também é conhecido como ‘Tonho’), nunca desistiu de os encontrar.

O que ele não imaginou é que o seu caçula não só já estaria muito perto dele, mas também seria um dos funcionários da sua empresa.

O irmão do meio
No início de sua busca, a única informação que o homem tinha era a data de nascimento dos seus irmãos, contada por sua avó – que o criou.

Mas essa situação estava para mudar em 2016. Nesse ano, o pai de Jefferson Greueli, irmão do meio de Antônio, faleceu. Por conta disso, sua mãe adotiva contou a história de sua família biológica e de seus irmãos.

Com a informação, ele rapidamente conseguiu se reunir com seu irmão mais velho.

Juntos, os dois uniram forças para encontrar o caçula. Entretanto, nem mesmo no sistema púbico de adoções eles conseguiram mais informações.

As únicas pistas novas que obtiveram foi com a mulher que havia intermediado a adoção, uma cabeleleira que atuava na rodoviária da cidade. Entretanto, ela só soube informar o nome do pai adotivo: João. Ela ainda contou para os homens que, nas eleições municipais de 2016, havia se encontrado com o irmão desconhecido numa seção eleitoral.

A informação encheu Tonho de esperança, porque aquilo significava que o rapaz ainda morava em Blumenau (SC).

Jefferson conseguiu localizar Antônio com informações dadas pela sua mãe, logo após o falecimento de seu pai adotivo. (Foto: Reprodução)



Nos negócios
Antônio Nunes tem um negócio próprio: a “Tonho Gás”, uma empresa de revenda de gás.

Em suas muitas relações comerciais, ele acabou conhecendo Maicon Luciani, que trabalhava para um dos de seus clientes. Rapidamente viraram amigos e, algum tempo depois, Maicon foi contratado para trabalhar na empresa de Tonho.

A amizade dos dois se estendeu por 10 anos. Nesse tempo, ele nunca mencionou que estava à procura de seu irmão. Maicon, por sua vez, não entrava em detalhes sobre sua vida.

Até que um dia, durante uma viagem de negócios os dois começaram a conversar sobre o passado. Foi nesse momento que Maicon comentou que era adotado e o sobrenome de sua família biológica era “Nunes”.

O comentário ativou a desconfiança de Antônio. Seria ele o irmão perdido?

Suas suspeitas seriam confirmadas logo em seguida, quando Maicon mencionou que a adoção foi intermediada por uma “senhora cabeleireira que trabalhava na rodoviária”.

“Foi então que eu olhei para ele e falei: ‘Você é meu irmão, cara!’”, disse Antônio. No início, Maicon ficou incrédulo e achou que o amigo estava louco. Entretanto, depois que o ele começou a contar a história, a ficha finalmente caiu.

Maicon conhecia Antônio a 10 anos e não fazia ideia de que ambos poderiam ser irmãos. (Foto: Reprodução)

Maicon conhecia Antônio a 10 anos e não fazia ideia de que ambos poderiam ser irmãos. (Foto: Reprodução)


Tonho imediatamente ligou para Jefferson para contar a novidade.

A família não demorou para marcar o primeiro churrasco de comemoração. “A vida é uma caixinha de surpresas”, afirmou Antônio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *