SÃO JOSÉ DO SERIDÓ- A importância do setor fabril no desenvolvimento econômico local

Quem conhece São José do Seridó há muito tempo sabe que a cidade viveu momentos de glórias mas que também viveu momentos de angústia, desemprego e falta de desenvolvimento.

No passado apenas a agropecuária mantinha o indice de empregos na cidade.

Nos anos 80 chegou a oportunidade quando a empresa Medeiros passou a gerar emprego com a produção de castanha e na cidade a principal fonte de renda vinha dos quebradores de castanha. Mais tarde vieram as telecelagens que também foram importantes numa cidade onde o índice de desemprego era muito alto e que alguns filhos da terra optaram por deixar sua terra natal e tentarem vencer na vida em outras regiões.

Logo depois vieram as bonelarias, um alento para as famílias que tiveram oportunidade de ter entes de suas proles empregados nestas empresas.

Mais a cidade teve uma oportunidade de se densevolver quando Simão Medeiros implantou a primeira oficina de costura , gerando emprego e oportunidades.

Com sua morte , seu filho Ricardo, implementou as já existentes e foi buscar parcerias para que mais empregos fossem gerados.

Outros empresários vendo essa oportunidade de fortalecer a economia e gerar empregos na cidade também abraçaram a causa a exemplo de Carlito e Adriana, Joelma Medeiros, Inácio e Wênia, Marionete e dentre outros investiram nas oficinas de costura que se tornou o rotor principal da economia em São José do Seridó.

O apoio da gestão pública, o programa Pró-sertão e a parceria com o sistema S abriu um leque de oportunidades.

As oficinas de costura que atualmente gera mais de 700 empregos diretos também desencadeou a implantação de micro empreendedores de vários segmentos e assim gerando mais emprego e mais renda para a cidade que hoje além de empregar seus munícipes tem dado oportunidade a profissionais de outras cidades a trabalhar e ter sua dignidade em São José do Seridó.

Um exemplo bem atual deste desenvolvimento está no Assentamento Agrário Seridó, na zona rural de São José do Seridó que tanto padeceu com os efeitos da seca e encontrou um alento e uma forma de melhorar a vida dos assentados e familiares que foi a implantação de uma oficina de costura naquela localidade gerando e oportunizando 40 empregos diretos para moradores locais.

O grupo Riachuelo e a Hering são os grandes parceiros que terceirizam estes trabalhos e assim contribuem para o sucesso e a geração de emprego. Uma prova de que o sertanejo só precisa de oportunidade para se desenvolver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *