EXEMPLO -Ex-alunos fazem surpresa e compram carro de professor com dificuldades financeiras: ‘Demos de presente a ele’

Aos 87 anos, o professor Marcelo Siqueira, que ensinou várias gerações de alunos, aprendeu que gratidão é um sentimento que se retribui. Por dificuldades financeiras, ele teve que colocar o xodó, um Fusca ano 1972, à venda. O que ele não imaginava é que a negociação traria uma grande homenagem dos alunos.

Marcelo Siqueira dava aulas de história e geografia na Escola Estadual Dona Carola, no São Francisco, em Curitiba. Dentro da sala, a marca registrada do professor era a parceira com os alunos, mas do lado de fora, todos o conheciam pelo fusquinha verde, que era o único da cidade.

“Toda vez que a gente via um carrinho verde pela rua, sabíamos que era o professor Marcelo. Era o nosso chaveirinho o carro, tivemos um apego muito grande”, disse Claudio Martins, ex-aluno.

Depois de passar mais da metade da vida com o Fusca, Marcelo teve que colocar o carro à venda por conta de dificuldades financeiras. Foi aí que, quase 40 anos depois, o grupo de estudantes que amava o professor e o xodó se uniu e preparou uma surpresa.

Ele nos deu a mão e nos carregou para o caminho correto. Sentava com a gente, dava conselhos. Foi essencial nessa parte de levar a criança futuramente para a sociedade”, comentou Claudio.

Ao saber que o professor venderia o tão amado Fusca, Cláudio mobilizou os colegas de escola, fizeram uma vaquinha para comprar o carro, mas com um único objetivo: devolvê-lo ao dono.

Decidimos comprar o Fusca e dar de presente para ele”, contou Cláudio.

Tudo foi armado sem que o professor soubesse. Marcelo chegou a dar uma volta no carro antes de vende-lo, achando que seria a última. Mas foi quando o Fusca enguiçou no meio da rua, que a surpresa foi descoberta.

“O professor Marcelo sempre foi muito exemplar. Ele é uma pessoa muito tranquila, muito calma, tanto é que eu me tornei professora, sou pedagoga”, disse Danieli Fernandes, ex-aluna.

Gratidão e satisfação

Emocionado, o professor disse que seu sentimento era de satisfação.

“Não tenho nem como agradecê-los. Estou com 87 anos e não consigo envelhecer graças a estes jovens que convivi. Minha satisfação é enorme”, disse o professor.

Tão acostumado a ensinar, o professor Marcelo aprendeu que o amor é combustível que resiste ao tempo. E que, na estrada da vida, não há distância capaz de separar os verdadeiros amigos.

MAIS DETALHES NO G1-PARANÁ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: