SINDICATO PRECISA SER “FREIO DE ARRUMAÇÃO NA GANÂNCIA EMPRESARIAL”, DIZ LULA

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) declarou nessa terça-feira (3) que os sindicatos precisam funcionar como um “freio de arrumação na ganância empresarial”. A fala ocorreu durante o evento em que o Solidariedade, do deputado federal Paulinho da Força (SP), ligado à Força Sindical, declarou apoio ao petista na disputa à Presidência.

“É importante que o sindicato seja um freio de arrumação na ganância empresarial. O sindicato não quer que o empresário tenha prejuízo, pois se o empresário tiver prejuízo, a fábrica quebra e o trabalhador fica sem emprego. Essa gente tem que entender que nós não somos imbecis. O sindicalista quer que a fábrica, na sua categoria, seja forte, ganhe muito, produza muito, venda muito, aumente o salário dos trabalhadores e gere emprego”, disse Lula.

Pouco antes, Lula comentou a revogação da contribuição sindical, um dispositivo eliminado pela reforma trabalhista, de 2017, durante o governo de Michel Temer (MDB), e pediu que as instituições de classe tenham “soberania” para definir, em assembleia, como será a contribuição dos trabalhadores.

“Por que que o Temer acabou com a contribuição assistencial aos sindicatos? Como é que o sindicato vai viver se não tem recurso para suas atividades? Na verdade, o trabalhador não gostava de pagar imposto sindical. Pagar um dia de serviço ao sindicato… era o dia que a gente era mais xingado dentro da fábrica”, disse Lula.

“Mas a gente não quer de volta o imposto sindical, não. A gente quer apenas um artigo em uma lei que diga que a contribuição sindical é de responsabilidade do sindicato, de convocar os trabalhadores em uma assembleia livre e soberana para decidirem como os trabalhadores vão contribuir. Eles não fizeram isso porque o fascismo não aceita um sindicato forte, e não tem democracia forte no mundo que não tenha sindicato forte”, completou o petista.

No mesmo evento, Paulinho da Força pediu a Lula para “esquecer” a reforma trabalhista e deixar que o tema envolvendo as mudanças nos direitos dos trabalhadores ficasse nas mãos do Congresso.

“Lula, esquece a reforma trabalhista, ganha a eleição que em dois meses o Marcelo Ramos (PSD-AM) e eu resolvemos isso no Congresso”, disse Paulinho, durante cerimônia do partido em apoio à Lula, nesta terça-feira (3).

CNN Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.