CASINHA DE TAIPA

Uma casinha de taipa

Com os pés fincados no chão

As telhas desembeiçadas

Lá fora, majericão

No terreiro dois banquinhos

Tamboretes no salão

As redes sempre armadas

Café com pão no fogão.

Onde está essa casinha

Que guardo com emoção?

Será que ainda vejo

Essa casa do sertão?

Mãe Mina fazendo renda

Diva fiando algodão

Seu Mané vindo da roça

Zeca com os pés no chão

Tixixa moendo milho

Dinha fazendo feijão

Água no pote friinha

E os canecos de latão

Zefinha lá no terreiro

Correndo atrás de um capão

Chiquim indo buscar lenha

No jumento de Antão

No terreiro a cajarana

Se espalhando pelo chão

E nos galhos escondidos

A zuada do cancão

Espantado com o ritmo

De Maria no pilão

Na cerca se espalhavam

As vaquinhas de melão

Era assim essa casinha

Do chão batido de terra

Que ficava lá na serra

Onde está meu coração.

Claude – Flor da Serra Verde

Por Melquides Medeiros (Poeta bonitense)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.